Image default
Agenparl Português Diritto & Giustizia Politica Estera Social Network

Isenção no pagamento dos pedágios pode voltar à análise dos senadores

(AGENPARL) – Brasilia mar 12 febbraio 2019

O senador Esperidião Amin (PP-SC) quer que o Senado vote o projeto de sua autoria que isenta do pagamento de pedágio o veículo cujo proprietário more ou trabalhe na cidade onde é feita a cobrança (PLC 8/2013). A proposta foi arquivada no final do ano passado, mas Amim já pediu que ela volte a tramitar. O requerimento de desarquivamento está pronto para ser votado em Plenário.

O senador, que apresentou o projeto na legislatura passada, quando era deputado federal, argumenta que as concessões de rodovias trouxeram prejuízos para a população das cidades onde foram instalados os pedágios. Para mudar essa situação, Amim condiciona a isenção do pedágio ao credenciamento dos veículos, segundo regulamentação feita posteriormente à promulgação da regra. Nos casos das concessões de rodovias já em vigor, o projeto permitiria ao concessionário pedir o reajuste do valor da tarifa do pedágio, como uma forma de compensar a redução de arrecadação decorrente das isenções concedidas.

O projeto foi aprovado pela Câmara dos Deputados e enviado ao Senado em março de 2011. Ele também recebeu parecer favorável da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) em abril de 2016, mas, como não obteve um parecer conclusivo da Comissão de Serviços de Infra-Estrutura (CI), foi enviado ao arquivo ao final da legislatura passada, de acordo com o que determina o Regimento Interno do Senado. Caso o projeto seja reativado, ele deve voltar à pauta da CI.

Votação dividida

Relator na CCJ, o ex-senador Benedito de Lira (PP-AL), concordou com a argumentação de Amim. “A política de concessão de rodovias gerou uma injustiça social, uma espécie de punição à população dos municípios onde são cobrados estes pedágios”, escreveu Lira em seu relatório.

Na CCJ, o ex-senador Valdir Raupp (MDB-RO) apresentou um voto em separado, pela rejeição do PLC 8/2013. Raupp citou que, em 2005, o Supremo Tribunal Federal (STF) julgou inconstitucional proposta semelhante aprovada pela Assembleia Legislativa do Espírito Santo. De acordo com o acórdão do STF, “a lei estadual afeta o equilíbrio econômico-financeiro do contrato de concessão celebrado pela administração capixaba (…), afronta evidente ao princípio da harmonia entre os poderes, na medida em que o Poder Legislativo pretende substituir o Executivo na gestão dos contratos administrativos celebrados”.

Raupp sustentou ainda que a proposta geraria “insegurança jurídica”. E criticou o projeto por estabelecer uma “espécie negativa de subsídio cruzado, pois causará um aumento da tarifa para quem não tiver a isenção”.

— Esta situação, caso prospere, na prática vai inviabilizar diversas concessões, pois provocará quedas de receitas de até 70% — ponderou.

Os argumentos foram contestados na ocasião por Lira, para quem, ao prever a possibilidade de renegociação contratual, o PLC 8/2013 resguardaria o equilíbrio econômico-financeiro dos contratos de concessão. Na votação, o parecer de Lira foi aprovado com o voto contrário de Raupp e de outros cinco senadores.

Na CI, onde o projeto chegou em 2018, o ex-senador Flexa Ribeiro (PSDB-PA) foi designado relator. A comissão aprovou a realização de uma audiência pública para discutir o projeto. Porém, em novembro, diante da não realização do debate, Flexa pediu que o seu cancelamento para que o projeto pudesse entrar em pauta. Não houve, no entanto, tempo para votação na CI até o final de 2018.

Fonte/Source: https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2019/02/12/isencao-no-pagamento-dos-pedagios-pode-voltar-a-analise-dos-senadores

Related posts

Diciotti, Salvini: grazie a iscritti M5S per fiducia

Diego Amicucci

Corrotti (Lega): “Minacce di morte gesto vigliacco”

Redazione Redazione

Renzi, fiducia nella giustizia italiana, vedremo

Diego Amicucci

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More